domingo, 7 de fevereiro de 2016

Capítulo 2

Aquele fim de tarde passou a correr. Caminhávamos lentamente e falávamos pela rua, como se já nos conhecêssemos há muito tempo. Tudo em ti me deixava confortável, como se eu pudesse ser eu mesma, sem complicações ou invenções. Havia algo em ti que me fazia achar que eras um autêntico cavalheiro, desde o teu ar simples até ao teu jeito de ser um tanto ou quanto misterioso. O sorriso escondia tanta coisa, tanta coisa que eu queria descobrir. Naquela tarde esperámos pela minha melhor amiga e depois fomos comer uma nata. Foste incrível, como já é teu costume. Rias e falavas sobre qualquer coisa. Quando fomos a pagar, tu não nos deixaste. Pagaste tudo e, enquanto isso, a minha amiga sussurrava-me que tu eras diferente, um verdadeiro cavalheiro. Foi aí que me apercebi que estava a ficar apaixonada por ti, pelo teu sorriso, pela tua gentileza e pela tua meiguice. Estava nas nuvens nesse dia. Levaste-nos à estação e, quando foste embora, fiquei com um vazio no meu coração que não se poderia preencher, a não ser contigo.
Sunshine

Sem comentários:

Enviar um comentário

As palavras são como os pássaros: nasceram para serem livres, soltas ao vento... Elas reclamam liberdade.